Escrever pra quê?

15 de março de 2016
Júlia Azeredo

Se em tempos de whatsapp receber ligação é prova de amor, receber carta é pedido de casamento. O teclado é o novo lápis, a palavra escrita virou artigo de luxo e cada vez mais cedo as pessoas adquirem aparelhos que tornam mais fácil essa afirmação ser comprovada. O que a gente as vezes ignora é a quantidade de motivos (cientificamente comprovados) que temos para ressuscitar a caligrafia ou para impedir que ela morra.

  • A escrita tradicional ajuda no desenvolvimento infantil, agindo especialmente na capacidade de abstração dos pequenos.
  • Escrever potencializa o aprendizado de vocabulário e incentiva o hábito de leitura.
  • A escrita pode ajudar no tratamento de doenças, como a dislexia.
  • As crianças associam o ato de escrever ao desenho, portanto, também escrever, é uma maneira de desenvolver a criatividade na infância.
  • A capacidade de memorização é maior naquelas pessoas que tem o hábito de anotar conteúdos á mão.
  • Escrever é uma atividade cognitiva complexa que combina funções motoras, da linguagem e do raciocínio para acontecer.

Em poucos minutos de pesquisa conseguimos listar esses seis, dos muitos benefícios que a escrita traz pra nossa vida e, se ela tem esse potencial enorme por si só, e é tão fácil perceber porque, imagine o efeito revolucionário que teria se a gente conseguisse unir a potência da palavra com as imagens?

A gente sabe que, muitas vezes, a palavra não é suficiente, sozinha, para esclarecer e explicar as coisas. Muitas vezes a palavra não dá conta de expressar o que sentimos. E a gente sinceramente precisa que alguém desenhe ou a gente precisa desenhar para desembolar o meio de campo.

Solucionamos problemas com facilidade no conforto solitário dos nossos pensamentos, mas na hora de passar a informação, a ideia, a solução pro outro, a situação toda se embola. Talvez isso seja reflexo do automatismo dos novos tempos. Ou a gente anda se acostumando a ficar protegido pelas telas dos nossos comunicadores, mal mal escrevendo com as pontas dos dedos…

Se você já perdeu todos os calos de escrita dos dedos, se você acha que a sua comunicação tem ficado a desejar, se você vez ou outra desejou que alguém desenhasse, ou melhor, se você já quis desenhar para facilitar o entendimento de alguma coisa na vida, talvez seja hora de aprender um pouco mais sobre o pensamento visual. Talvez seja hora de começar a escrever sua vida de maneira diferente. Esse pessoal já experimentou:

Curso de pensamento visual, Ideia Clara, 2015. Foto de Lucas Coutinho.

Curso de pensamento visual, Ideia Clara, 2015. Foto de Lucas Coutinho.

 

Curso de pensamento visual, Ideia Clara, 2015. Foto de Lucas Coutinho.

Experimente você também! Fale com a gente por aqui!

Related Posts

O futuro do trabalho
Desenhar é preciso
Aprendendo o que ensinamos