Ideia Clara no Anymotion 2018

O Anymotion – maior evento de animação e motion design da América Latina, teve sua quarta edição na semana passada, sábado, 24 de novembro, no Expo Center Norte, em São Paulo – e reuniu amantes, estudantes, animadores, ilustradores e motion designers de todos os cantos do Brasil e do mundo. Com apresentações de estúdios, profissionais e projetos de altíssimo nível, essa edição teve cada apresentação com um viés diferente, abordando temas diversos, como experiências, vivências, questionamentos, quebra de paradigmas, ultrapassando a barreira do motion design. Se tem uma palavra que pode descrever o evento é: F… enomenal!

Comandando por Isac Rodriguez, motion designer da Discovery Brasil, e com apresentação do experiente e irreverente Felipe Viera, mais conhecido como Beiço – que está à frente da Full House e comanda o canal Vida de Motion, o evento foi um show do início ao fim.

Logo no início, fomos surpreendidos com o vídeo de apresentação produzido pelo estúdio Yellow Lab (Canadá), com participação da artista Melina Toffanello destacando sobre o processo de criação em si. Do isolamento. De se encontrar na sua arte. Ressaltando ainda de que devemos ir até o final se nos propormos a fazer algo.

Lobo – Brasil

Depois desse início inspirador, o primeiro estúdio a se apresentar foi o Lobo, que mostrou a importância da animação como agente de mudança, trabalhando com projetos e causas socioambientais que acreditam e apoiam. Ao longo da apresentação Matheus de Paula exibiu filmes que usam do motion e a animação para abordar temas delicados como violência doméstica infantil, relacionamentos abusivos, crianças com autismo, uso de realidade aumentada na área da saúde, entre outras.

Projetos/clientes: Lacta, Colgate, Coca Cola, Chopane

Vetor Zero – Brasil

Gabriel Nobrega mostrou como conciliou sua paixão pela música e animação. “Por incrível que pareça a música financiava o motion naquela época”, disse. Além de espaços pequenos, máquinas e espelhos, ele mostrou seus primeiros experimentos como animador e exibiu alguns making-of´s de processos criativos, de adaptações com objetos comprados na 25 de março, miçangas, linhas e bugigangas, com experimentações na água, fazendo projetos artesanais sem qualquer interferência de computador (sem pós). Para finalizar, fez uma apresentação exibindo suas habilidades do teclado, com uma performance artística alinhada à sua qualidade como motion e produtor.

Projetos/clientes: Nescafé, Coca Cola, Caixa, Apple, Getty Images

Birdo – BrasilAssim como pequenos estúdios e escritórios, Luciana Eguti e Paulo Muppet contaram como iniciaram como uma agência digital fazendo criações de banners, hotsites e animações em Flash. Destacaram alguns pontos importantes, como:
• Networking – Conhecer muitas pessoas, amigos, etc.
• Divulgar o trabalho em blogs, sites, etc.
Através disso, conseguiram grandes projetos como Mobsquad, Mtv Ásia, em 2006, e depois disso vários outros clientes surgiram, como Sempre Livre teen, Caixa, com o projeto Caixa de madeira, entre outros. Posteriormente começaram a querer ter mais liberdade criativa, até que criaram “Bonequinha do papai”, que recebeu alguns prêmios e até chegou a ser indicado como melhor curta de cinema. E não parou por aí, no ano de 2016 venceram o concurso para a criação dos mascotes do Rio 2016, Vinicius & Tom. Foi um sucesso tão grande que foram convidados a criar episódios animados para o Cartoon Network. Hoje a Birdo se especializou em produzir desenhos animados, tanto com projetos originais, como Oswaldo, Cupcake & Dino, Bada Bean e também animar como co-produtores para diversos canais.

Projetos/clientes: Boomerang, Comedy, Nick, Disney XD, ente outros.

Ariel Costa (Blink my brain) – Estados UnidosCom a apresentação mais descontraída do dia e cheia de frases de efeito, Ariel Costa contou como foi sua impressionante trajetória no universo do motion design. “Pra viver, tem que estar disposto a morrer”, ou seja, sair da zona do conforto. Ariel queria seguir como freelancer e trabalhar com seu próprio estilo, e conseguiu, mesmo sendo fora do Brasil.

“Tudo é um processo. A carreira começa como um processo”. Após passar por 11 estúdios em menos de 1 ano, começou a levantar questões como: Quem você quer ser no mercado? Porque você quer abrir um estúdio? É o momento certo? Por onde começo? Qual seu plano? Se pergunte: está preparado? Ariel mostrou que muitas portas foram fechadas, e que houveram altos e baixos, mas ele sempre se movimentou até chegar onde queria. “Às vezes você precisa dar um pulo para trás para dar um impulso para frente”. Lembrou também que nunca foi bom em 3D, mas sempre curtiu colagens, e que toda a trajetória teve um amadurecimento profissional. Finalizou dizendo que “tudo é válido quando é feito com amor e que você não precisa aprender tudo. Faça o que você gosta de fazer”.

Projetos/clientes: Warner Music, Marini, Spotfy, Emicida, Paramount

Tony Zagoraios e Thanu Lee (Yeti Pictures – Grécia)Tony e Thanu contaram que gostam bastante de projetos pessoais porque podem criar sem restrições, sem prazo e sem pressão; e o melhor: com seu estilo. Falaram também um pouco do início de carreira como profissionais de motion e animação, com projetos sem muita verba e da divisão do tempo, pois Tony trabalhava em uma empresa farmacêutica no período da manhã e depois criava as suas peças no resto do dia. Naquela época (2010) não tinham tantos gráficos e infográficos em vídeos e era algo extremamente trabalhoso. Por conta da rotina intensa e da complexidade dos projetos, Tony foi parar no hospital por conta de uma parada cardíaca. Na época, seu parceiro levou o computador e mesmo com restrição médica, teve que trabalhar na UTI para entregar, pois havia um prazo, e por isso, esse projeto teve um lugar especial em seu coração. “Foi uma verdadeira loucura”. Depois de ralar como freela por um tempo, se uniu ao amigo Thanu e fundaram a Yell. Após dois anos, mudaram 2 letras e criaram a Yeti.

Tony deu algumas dicas legais de como não pegar referências de motion design para os projetos, pois assim, de alguma forma, a tendência é copiar aqueles projetos. O interessante é criar objetos, baixar imagens e montar sua própria biblioteca. Fazendo testes, experimentando, vendo se funciona.

Projetos/clientes: Netflix, Need for speed, Nike, Kit Kat

Lê cube – ArgentinaRalph Karam ressaltou a qualidade dos trabalhos. Disse que é extremamente detalhista e que isso é muito importante. Falou também da importância de tentar encontrar clientes que aceitam trabalhar de forma mais livre, ou seja, com uma pegada de projeto pessoal, como ONG´s. Assim é possível experimentar coisas e também, assim como alguns estúdios citados acima, ajudar em causas que acredita. Ressaltou que “o tempo sempre corre contra”, então é preciso se dedicar e aprender que certas coisas são complexas e por isso é necessário aprender e ser preciso no que se faz. Lembrando um pouco da sua trajetória, disse que quase quebrou indo meio que “na cada dura” em algumas agências e assumindo projetos, onde suas equipes não davam conta de atender com prazos curtos. Por ser detalhista ao longo do tempo, o estúdio foi evoluindo, usando de diversas técnicas, muitas vezes artesanais, e tiveram que botar tudo que sabiam para fazer um de seus melhores projetos: “Senna, no coração do Brasil”, para o instituto Ayrton Senna. Karam contou que tiveram que encontrar a essência da animação. Buscar ser mais sensorial e menos literal. Ter clima. Depois de mais de 27 animatics, o resultado final mostra o porquê ser detalhado faz toda diferença.

Projetos/clientes: Uber, Nike, Cartoon Network, McDonalds

Ricardo Mendes

Para encerrar o dia com chave de ouro, Ricardo Mendes, vencedor do 1º Anymotion Battle, contou um pouquinho como foi o dia em seu processo de criação, desde o storyboard, passando pela ilustração, animação, sound design e edição final. Tudo feito em apenas 5 horas de duração! O resultado você pode conferir abaixo:

O dia foi realmente incrível, além de todas as apresentações, diversos plugins, licenças de softwares, e cursos foram sorteados para a galera! Logo eu, que nunca ganho nada em sorteios (rsrs), acabei levando um Battle Axe Overlord, que vai ajudar a animar personagens nos meus projetos!

Nessa imagem, eu e o incrível Beiço, do vida de motion.

E ainda teve mais! Durante os intervalos, coffee breaks e almoço, rolaram as Tips & Tricks ao vivo, com dicas valiosas do Rodrigo Lescano em Cinema 4D e Luis Bechtold em softwares Adobe. 

Enfim, o que nos deixa tristes é que aquele dia incrível acabou, ficando na memória o que foi, sem dúvidas, um dos melhores eventos e mais fantásticos da atualidade. Entretanto nos alegra que o evento foi surpreendentemente melhor do que o ano anterior, e esperamos que seja assim também no ano que vem!

Encerro aqui com a “foto da foto”, eu e Lucas Alves, com a expressão do que foi esse dia…
Grande abraço.

Menu